segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Dia catorze.

Dona de casa desempregada.


(Atenção: segue-se momento eventualmente desconcertante para mentes modernas.)

Vamos a um tema que me é particularmente querido: a vida doméstica. O conceito de "dona de casa" perdeu-se algures nas últimas décadas, mas há quem ainda zele por essa etiqueta. E eu faço-o. Faço mesmo. Levo o assunto a peito e trato-o com empenho e orgulho.

Assim sendo, por esta altura a minha vida até podia ser mais... "domesticamente feliz". Quando se trabalha é preciso dividir o tempo entre várias tarefas, e para quem não pretende abrir mão de lides e preceitos o caso fica bicudo; mas, quando não se tem emprego, há mais tempo livre. E isso até pode facilitar tudo. Pode. Claro que pode!

Mas deste lado é diferente.

Ontem escrevi aqui que "se há coisa subtilmente perigosa é uma cabeça desocupada". Sabendo disso  melhor: pressentindo isso , quando tenho pouco para fazer tendo a arranjar ocupação. Depressa. Logo. E é assim que, apesar de não viver sozinha, chamo a mim todas as tarefas e mais alguma quando fico sem emprego. Foi assim da primeira vez, e, como eu já calculava, está a ser assim na segunda. É uma forma prática de ocupar a cabeça, de me sentir útil e de poupar a outra alminha lá de casa (que trabalha  haja alguém) a uma série de cansaços. E é também uma forma prática de chegar à hora dos "Patinhos" tão moída como se tivesse ("como se tivesse"?...) andado o dia todo a correr de um lado para o outro.

Mas ainda há mais. Como sou uma valente (eu sei que na verdade sou é levemente insane, mas agora não me apetece pôr as coisas nesse prisma), não fico por aqui. Insisto na ingenuidade de achar que o que não me falta é tempo livre e desato a resolver mil e um assuntos pendentes.

Por enquanto sou "só" uma dona de casa desempregada. Desesperada, ainda não estou. Mas, a avaliar pela convicção com que me entrego a um sem-fim de tarefas e compromissos, lá chegaremos. E depressa.

Ainda antes dos "Patinhos".

4 comentários:

  1. Uma das coisas que faço quando tenho a cabeça desocupada é andar de bicicleta por Lisboa www.90diasdebicicletapelofunchal.blogspot.com enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sei é andar de bicicleta, Nuno. :D Mas andar a pé faz-me muito bem, por isso percebo a ideia!

      Eliminar
  2. Aqui por casa, no meu caso, é dedicar-me a cozinhar. Sempre me ocupa o tempo e dá alguma alegria a quem chega a casa ao final da tarde, depois do seu dia de trabalho.
    Andreia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo, Andreia! Muito bem, até... :)

      Eliminar